Blog - Momento Kulzer

Estética Gengival diferenciada em Próteses Removíveis

INTRODUÇÃO

A beleza do sorriso não está apenas relacionada ao posicionamento dos dentes, mas também à exposição gengival. Reproduzir essa exposição gengival da forma mais natural possível na prótese sempre foi um desafio para o técnico em prótese dental, devido à dificuldade de reproduzir as diversas nuances de cores existentes no tecido gengival. Entretanto, hoje já se consegue reproduzir uma gengiva artificial semelhante à natural, com o uso de resinas fotopolimerizáveis como é o caso do sistema Pala® cre-active®.

Neste contexto, destaca-se que a integração entre dentes e tecido gengival deve mimetizar o máximo possível os tecidos bucais, de forma que a prótese fique imperceptível e o paciente possa realizar todas as suas atividades diárias com qualidade de função e estética.

Esses detalhes são ainda mais importantes quando nos deparamos com casos desafiadores, como por exemplo, em pacientes que apresentam sorriso gengival, prótese unitária, e ainda situações em que o tecido gengival apresenta pigmentos específicos que as resinas acrílicas convencionais não conseguem reproduzir corretamente.

O sistema Pala® cre-active® é capaz de reproduzir a gengiva artificial semelhante à natural, devido à ampla gama de cores disponíveis (Fig. 1).

OBJETIVO

O objetivo deste trabalho é demonstrar através de um caso clínico a estratificação da resina para a caracterização gengival de próteses removíveis (Prótese Total e Prótese Parcial Removível).

RELATO DO CASO

Paciente do sexo feminino, I.S.L, 52 anos, procurou a clínica de Odontologia do Centro Universitário do Norte Paulista, desejando substituir sua prótese total antiga (PT). Após o diagnóstico foi proposto a confecção de duas próteses removíveis (PT e PPR), utilizando a caracterização gengival através do sistema Pala® cre-active® (Kulzer).

As próteses removíveis foram confeccionadas com os Dentes Classic® (Kulzer – Fig. 2a), seguindo os princípios do planejamento reverso, sendo até a ceroplastia realizada com caracterização, na finalidade de reproduzir as cores da mucosa bucal, evitando assim uma possível discrepância de cores entre as mesmas e aumentando a previsibilidade para o paciente.

Após a aprovação da paciente, foi realizada a finalização das próteses com o sistema de resinas fotopolimerizáveis Pala® cre-active® para gengivas, seguindo o mesmo padrão de caracterização adotado na ceroplastia.

As vantagens na técnica clínico-laboratorial desse material em relação à técnica convencional são: facilidade na manipulação, maior gama de cores (mimetização gengival), apresentam boas propriedades mecânicas, resistência à abrasão, ou seja, baixo índice de desgaste, bom polimento, biocompatilidade semelhante as resinas compostas convencionais, facilidade de aplicação sobre as resinas acrílicas e boa adesão à superfície da prótese.

A sequência clínico-laboratorial de confecção das próteses são as mesmas do modo convencional (Fig. 2). As diferenças na confecção da PT e PPR ocorrem após a prova dos dentes em cera, na acrilização da prótese. As peculiaridades estão descritas abaixo:

Primeiro passo: Após a prova dos dentes em cera (Figs. 3 e 4), deve-se remover toda a escultura vestibular da prótese, e em seguida procede-se a acrilização parcial da base da prótese com o sistema de acrilização convencional (Fig.5 e 6).

Segundo passo: Após a acrilização parcial, realiza-se o acabamento e preparo da superfície da resina acrílica para aplicação do sistema Pala® Cre-active®.

Terceiro passo: Asperizar as superfícies a serem tratadas com pontas diamantadas de granulação média ou por jateamento com Al2O3 (de no mínimo 50 mícron, a uma pressão de 2 bar). Eliminar o resíduo do pó mais grosso com ar livre de óleo. Remover cuidadosamente o resíduo do pó mais fino, aderente, que influencia a união, com o auxílio de um pincel descartável com cerdas curtas e duras. Não tocar as superfícies isentas de óleo ou gordura (Figs.7 e 8).

Quarto passo: A seguir, aplicar com pincel o Signum® connector (Kulzer) em uma fina camada e deixar reagir durante 2–3 minutos, e em seguida polimerizar no aparelho HiLite® Power (aparelho fotopolimerizador, Kulzer), por 90 segundos (Fig. 9).

Quinto passo: Depois disto, aplica-se a resina fotopolimerizável Pala® cre-active® (Kulzer) para estratificação da gengival (Figs.10 e 11). As cores utilizadas neste momento devem seguir o registro de cor realizado pelo cirurgião dentista, ou pela ceroplastia caracterizada (Figs.12, 13 e 14).

Sexto passo: Polimento. Realizar o polimento da superfície de maneira habitual, com polidores de borracha e rodas de polimento de silicone e pasta de polimento universal.

  • Figura 01
  • Figura 02
  • Figura 2A
  • Figura 03
  • Figura 04
  • Figura 05 e 06
  • Figura 07 e 08
  • Figura 09
  • Figura 10
  • Figura 11
  • Figura 12
  • Figura 13
  • Figura 14
  • Figura 15
  • Figura 16
  • Figura 17

CONCLUSÃO

Seguindo os princípios biológicos e estéticos, as novas próteses alcançaram um resultado bastante satisfatório. A utilização deste novo sistema de caracterização gengival aliado as habilidades do cirurgião dentista e técnico de prótese dentária, torna possível obter uma excelente mimetização gengival (Figs. 15 ,16 e 17).

AUTORES

Danilo Sousa Machado: TPD e aluno do curso de graduação em odontologia do Centro Universitário do Norte Paulista-UNORP, Técnico em Prótese Dentária pela Etec Philadelpho Gouvêa Netto

Gabriela Cordeiro Taveira: Aluna do curso de graduação em odontologia do Centro Universitário do Norte Paulista-UNORP.

MATERIAIS UTILIZADOS

Signum® connector, Pala® cre-active® e Dentes Classic®.

REFERÊNCIAS

1. Soares PV, Santos-Filho PC, Soares CJ, Faria VL, Naves MF, Michael JA, et al. Non-carious cervical lesions:
influence of morphology and load type on biomechanical behaviour of maxillary incisors. Aust Dent J. 2013
Sep;58(3):306-14.
2. Lee WC, Eakle WS. Possible role of tensile stress in the etiology of cervical erosive lesions of teeth. J Prosthet Dent.
1984 Sep;52(3):374-80.
3. Grippo JO, Simring M, Coleman TA. Abfraction, abrasion, biocorrosion, and the enigma of noncarious cervical
lesions: a 20-year perspective. J Esthet Restor Dent. 2012 Feb;24(1):10- 23.
4. Soares PV, Santos-Filho PC, Gomide HA, Araújo CA, Martins LR, Soares CJ. Influence of restorative technique on
the biomechanical behavior of endodontically treated maxillary premolars. Part II: strain measurement and stress
distribution. J Prosthet Dent.
5. Santos-Filho PC, Castro CG, Silva GR, Campos RE, Soares CJ. Effects of post system and length on the strain and
fracture resistance of root filled bovine teeth. Int Endod J. 2008 Jun;41(6):493-501.
6. Soares PV, Santos-Filho PC, Queiroz EC, Araújo TC, Campos RE, Araújo CA, et al. Fracture resistance and stress
distribution in endodontically treated maxillary premolars restored with composite resin. J Prosthodont. 2008
Feb;17(2):114-9.
7. Rees JS. The biomechanics of abfraction. Proc Inst Mech Eng H. 2006 Jan;220(1):69-80.
8. Soares PV, Milito GA, Pereira FA, Zeola LF, Naves MFL, Faria VLG, et al. The effects of non carious cervical lesions
– morphology, load type and restoration – on the biomechanical behavior of maxillary premolars: a finite element
analysis. Biosci J. 2013
9. Soares PV, Souza LV, Verissimo C, Zeola LF, Pereira AG, Santos Filho PCF, et al. Effect of root morphology on
biomechanical behaviour of premolars associated with abfraction lesions and different loading types. J Oral Rehabil.
2013 Feb;41(2):108-14.
10. Lee WC, Eakle WS. Stress-induced cervical lesions: review of advances in the past 10 years. J Prosthet Dent.
1996 May;75(5):487-94.
11. Nguyen C, Ranjitkar S, Kaidonis JA, Townsend GC. A qualitative assessment of non-carious cervical lesions in
extracted human teeth. Aust Dent J. 2008 Mar;53(1):46-51.
12. Bartlett DW, Shah P. A critical review of non-carious cervical (wear) lesions and the role of abfraction, erosion,
and abrasion. J Dent Res. 2006 Apr;85(4):306-12.
13. Chung G, Jung SJ, Oh SB. Cellular and molecular mechanisms of dental nociception. J Dent Res. 2013
Nov;92(11):948-55.
14. Hur B, Kim HC, Park JK, Versluis A. Characteristics of non-carious cervical lesions—an ex vivo study using micro
computed tomography. J Oral Rehabil. 2011 Jun;38(6):469-74.
15. Grippo JO. Biocorrosion vs. erosion: the 21st century and a time to change. Compend Contin Educ Dent. 2012
Feb;33(2):e33-7.
16. Daley TJ, Harbrow DJ, Kahler B, Young WG. The cervical wedge-shaped lesion in teeth: a light and electron
microscopic study. Aust Dent J. 2009 Sep;54(3):212-9.

As opiniões, suposições, interpretações e posicionamentos pessoais expressos neste blog são de responsabilidade dos autores das respectivas publicações e não refletem necessariamente o posicionamento oficial da Kulzer.

 

Você também pode gostar

Escreva um comentário

Cancelar resposta

Senhor Jesus