Blog - Momento Kulzer

Reconhecendo e observando conexões

A saúde bucal está intimamente relacionada a doenças gerais, especialmente a periodontite crônica. No caso de pacientes multimórbidos, o já difícil e complexo quadro clínico da “periodontite” é ainda mais intensificado. Analisamos o que os Cirurgiões-Dentistas precisam considerar e quais alternativas existem.

Numerosas doenças sistêmicas associadas à idade interagem com a doença periodontal, particularmente doenças do trato respiratório, doenças reumáticas, doenças cardiovasculares, arteriosclerose, diabetes mellitus, derrames e gastrite. Por um lado, esses quadros clínicos podem promover o desenvolvimento da periodontite e, por outro lado, podem influenciar a terapia. O Cirurgião-Dentista deve, portanto, considerar a interação próxima de ambos os lados:

  1. Doenças gerais e condições sistêmicas afetam o risco de periodontite, ou melhor, sua terapia e prevenção.
  2. Bactérias patogênicas orais, seus produtos metabólicos e mediadores da inflamação podem entrar na circulação, tornar-se sistemicamente eficazes e aumentar o risco de doenças gerais.

A periodontite afeta a saúde

Os exemplos a seguir mostram como a periodontite influencia a saúde geral:

  • Pacientes com periodontite apresentam risco aumentado de acidente vascular cerebral ou doença coronariana. O Cirurgião-Dentista deve, portanto, informar o paciente sobre a possível associação entre doença periodontal e problemas cardiovasculares e dizer-lhes que cuidados especiais são recomendados.
  • O risco de pneumonia em pacientes com periodontite é significativamente reduzido pela higiene oral diária completa. O profissional deve estar ciente desses fatos e encorajar ativamente o paciente a manter uma boa higiene oral.
  • Pacientes com diabetes mellitus têm um risco significativamente maior de periodontite. Além disso, a doença acelera a progressão da periodontite. A razão para isso é que a doença periodontal é agravada devido ao aumento do nível de açúcar no sangue e à angiopatia resultante.. Se o nível de açúcar no sangue estiver bem ajustado, a periodontite pode ser tratada com mais sucesso. É aconselhável consultar o seu médico de confiança ou um especialista em diabetes para obter mais detalhes sobre este assunto. Além disso, o Cirurgião-Dentista deve admitir o paciente em um sistema de recuperação aprimorado e realizar a profilaxia regular.

Abordagens terapêuticas para periodontite

As equipes odontológicas são responsáveis ​​pela prevenção e terapia da periodontite em pacientes multimórbidos – e isso vai além da saúde bucal. A periodontite é considerada uma doença crônica multifatorial e, portanto, requer cuidados de longo prazo. O objetivo principal do tratamento é reduzir a carga bacteriana. O Cirurgião-Dentista deve tratar a infecção e procurar reduzir a profundidade das bolsas periodontais para um valor de <3,5 mm. Particularmente quando se trata de pacientes multimórbidos, o profissional deve pesar cuidadosamente cada intervenção cirúrgica e considerá-la apenas no caso de danos graves. A pressão adicional sobre o paciente e as influências ou efeitos colaterais de qualquer medicamento (por exemplo, anticoagulantes) devem ser levados em consideração. Em muitos casos, é necessário que o Ciruguão-dentista trabalhe com outros especialistas para ponderar melhor as possíveis associações com outras doenças. A regra geral aqui é sempre “tanto quanto necessária, o mínimo possível”.

O foco deve estar sempre no atendimento odontológico preventivo. Por exemplo, a indicação adequada e aplicação precoce de antibióticos adjuvantes locais em combinação com raspagem e planejamento radicular pode evitar a necessidade de cirurgia periodontal, que é particularmente desgastante para pacientes multimórbidos.

Referências

1 DeStefano F et al. Dental disease and risk of coronary heart disease and mortality.􀁢BMJ.􀁢 1993 Mar 13;306(6879):688-91.

2 Quagliarello V et al. (2009), Pilot Testing of Intervention Protocols to Prevent Pneumonia among Nursing Home Residents. J. Am. Geriatr. Soc. 57, 1226-1231.

3 Emrich LJ et al. J Periodontol 1991; 62: 123-31.

4 Salvi GE et al. J Clin Periodont 2008: 35 (Supplement 8): 398-409.

Você também pode gostar

Escreva um comentário

Cancelar resposta

Senhor Jesus